A combinação de antibióticos da Pfizer elimina a fase III e mostra promessa contra a resistência a múltiplas drogas

Foto: letreiro azul e branco da Pfizer em prédio/cbies/Adobe Stock

Dados dos estudos REVISIT e ASSEMBLE de Fase III mostraram que a combinação de antibiótico experimental da Pfizer, aztreonam-avibactam, pode curar com segurança infecções causadas por bactérias Gram-negativas, anunciou a empresa na quinta-feira.

A Pfizer e a AbbVie estão desenvolvendo em conjunto o aztreonam-avibactam (ATM-AVI), que é apoiado por parcerias público-privadas entre a Pfizer e a Biomedical Advanced Research and Development Authority. A Pfizer detém os direitos comerciais globais da ATM-AVI, enquanto a AbbVie detém esses direitos nos Estados Unidos e no Canadá.

Essas descobertas do REVISIT e do ASSEMBLE posicionam o ATM-AVI como uma “opção de tratamento importante para pacientes com infecções bacterianas com risco de vida que são resistentes a quase todos os antibióticos atualmente disponíveis”, James Rusnak, vice-presidente sênior e diretor de desenvolvimento, Medicina Interna, Anti – Infecciosos e Hospitalares, da Pfizer, informou em comunicado.

Inscrevendo-se em regiões com suspeita de patógenos multirresistentes e com resistência endêmica ou emergente a carbapenêmicos, o REVISIT recrutou 422 adultos hospitalizados por infecções intra-abdominais complicadas (cIAI), pneumonia adquirida no hospital (HAP) e pneumonia associada à ventilação (PAV). ATM-AVI foi administrado com ou sem metronidazol.

O regime ATM-AVI teve uma taxa de cura de 76,4% para pacientes com IIAc em comparação com 74,0% naqueles tratados com meropenem com ou sem colistina. Para HAP e VAP, os esquemas ATM-AVI e meropenem tiveram taxas de cura correspondentes de 45,9% e 41,7%, respectivamente. ATM-AVI apresentou melhores taxas de cura em ambos os casos, mas seu efeito de tratamento não alcançou significância estatística.

Com relação à segurança, o REVISIT concluiu que o ATM-AVI é bem tolerado e os eventos adversos graves foram equilibrados entre os grupos de tratamento e controle. Seus efeitos colaterais foram consistentes com o que havia sido previamente estabelecido para o aztreonam sozinho. Nenhuma toxicidade grave foi atribuída ao tratamento do estudo.

O ASSEMBLE confirmou ainda mais esses achados, que recrutou pacientes hospitalizados para bactérias Gram-negativas produtoras de metalo-β-lactamases. O esquema ATM-AVI curou 41,7% dos pacientes tratados, enquanto nenhum daqueles com a melhor terapia disponível foi curado.

Com dados do REVISIT e ASSEMBLE, a Pfizer fará um registro regulatório junto ao FDA no segundo semestre de 2023. A empresa também enviará descobertas e análises completas desses estudos para publicação científica.

Biopharma se posiciona contra a RAM

A resistência antimicrobiana (RAM) está entre os ameaças globais de saúde mais prementes, segundo a Organização Mundial da Saúde. Embora a resistência seja um fenômeno natural, o uso indevido e excessivo dessas drogas acelerou esse processo, tornando cada vez mais os antibióticos ineficazes.

No Congresso Mundial de Vacinas em abril de 2023, os líderes da indústria apontaram a vacinação como uma solução potencial para o problema da RAM.

“As vacinas podem prevenir ou reduzir doenças com risco de vida e diminuir os custos com saúde”, disse Francesca Micoli, especialista em AMR, diretora da Innovation Academy for Global Health, GSK. BioEspaço após um painel no Congresso Mundial de Vacinas. A imunização também pode aliviar as consequências residuais para a saúde após uma infecção.

Além das vacinas, Micoli disse que a luta contra a RAM deve incluir uma estratégia holística, incluindo novas intervenções para atingir patógenos multirresistentes.

Em julho de 2022, três empresas europeias se uniram com o mesmo objetivo. A Boehringer Ingelheim, a Evotec SE e a bioMérieux criaram uma nova empresa, Aurobac Therapeutics SAS, para promover a próxima geração de agentes antimicrobianos e criar produtos de diagnóstico para medicamentos mais apropriados. Com o apoio dessas três empresas, a Aurobac lançou cerca de US$ 40,7 milhões para desenvolver uma abordagem de precisão contra AMR.

Tristan Manalac é um escritor independente de ciência que mora na região metropolitana de Manila, nas Filipinas. Ele pode ser contatado em tristan@tristanmanalac.com ou tristan.manalac@biospace.com.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade