Volastra apoiado pela Lilly entra na clínica com o inibidor KIF18A da Amgen

Na foto: cientistas olhando para um microscópio/Getty Images

A Volastra Therapeutics anunciou na terça-feira que licenciou o sovilnesib candidato à Fase I da Amgen, um inibidor KIF18A que está sendo estudado para câncer de ovário de alto grau, câncer de mama triplo negativo e outros tumores sólidos.

Ao mesmo tempo, a biotecnologia com sede em Nova York garantiu US$ 60 milhões em financiamento da Série A. A rodada de financiamento foi liderada pela Eli Lilly, juntamente com os investidores fundadores Polaris Partners e ARCH Venture Partners. Droia Ventures, Vida Ventures, Meyers ventures, Cornell University e Catalio Capital Management também participaram da Série A.

Sob os termos do acordo, a Volastra fará um pagamento adiantado em dinheiro e patrimônio e prometerá marcos e royalties downstream. Em troca, receberá os direitos exclusivos do sovilnesib em todo o mundo, exceto na China.

Concebido para ser disponível por via oral, o sovilnesib é um inibidor de moléculas pequenas de primeira classe da proteína KIF18A. Em cânceres, KIF18A é central para a proliferação de células tumorais cromossomicamente instáveis. Interromper a ação dessa proteína pode interromper o processo de divisão celular e pode ter potencial terapêutico em oncologia.

O Sovilnesib está atualmente em estudos de Fase I para câncer de ovário seroso de alto grau resistente à platina, para o qual o FDA concedeu a designação Fast Track do medicamento. A droga experimental também está sendo avaliada como um tratamento potencial para câncer de mama triplo negativo e tumores sólidos com mutações TP53.

Adicionar o sovilnesib à sua gama de ativos ajudará o Volastra a acelerar o desenvolvimento de terapias contra um novo alvo promissor”, disse Scott Drutman, MD, Ph.D., diretor médico do Volastra, em um comunicado.

Visando a instabilidade cromossômica

Em sua essência, o Volastra está focado em um fenômeno chamado instabilidade cromossômica (CIN).

Em células saudáveis, os cromossomos são divididos de maneira ordenada durante a divisão celular e qualquer erro mitótico leva à morte celular. As células cancerígenas, no entanto, perdem a capacidade de detectar e lidar com erros na divisão celular, resultando em geração após geração de células filhas que carregam cromossomos instáveis.

A NIC está presente em 60% a 80% de todos os cânceres e demonstrou comprometer a sobrevida do paciente.

O acordo de terça-feira com a Amgen adicionará outro ativo promissor ao “crescimento de produtos terapêuticos direcionados ao CIN” da Volastra, que inclui o VLS-1488, outro inibidor de KIF18A descoberto internamente usando a plataforma proprietária CINtech da empresa.

O Volastra avançará tanto o sovilnesibe quanto o VLS-1488 por meio do desenvolvimento clínico em 2023.

Além da Amgen e da Lilly, o foco da Volastra na CIN também atraiu o interesse da Bristol Myers Squibb, com a qual firmou um acordo de descoberta e desenvolvimento de medicamentos por mais de US$ 1 bilhão em março de 2022. O acordo foi para acesso à plataforma CINtech da Volastra e cobre alvos oncológicos não revelados.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade