Rui Costa ataca Campos Neto e diz que BC não precisa de novo marco fiscal para cortar juros


No dia em que o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciará a nova taxa básica de juros, o ministro da Casa Civil, Rui Costa, criticou duramente o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e insinuou que ele não tem independência em relação ao mercado financeiro.

“O que o presidente do BC está fazendo é um desserviço à nação brasileira”, disse Costa, em conversa com um grupo de jornalistas, no Palácio do Planalto. “A economia está asfixiada, o comércio está asfixiado. Não é explicável a posição do BC de insistir em uma taxa tão exorbitante”.

O próprio ministro da Fazenda, Fernando Haddad, havia sinalizado que apresentaria a proposta de novo arcabouço fiscal antes da reunião do Copom. Esse movimento era esperado como forma de dar mais conforto ao Copom para indicar, pelo menos, um eventual corte da Selic nas reuniões seguintes — em maio e junho.

Costa, no entanto, preferiu dissociar as duas ações. “Ele [Campos Neto] não precisa de um novo marco fiscal. Me desculpe, não precisa”, afirmou o ministro da Casa Civil, frisando que a inflação já caiu desde que o BC elevou a Selic para 13,75% e que o Brasil hoje tem uma das maiores taxas reais de juros no mundo.

“O que justifica estarmos com a mesma dose de remédio? [O país] estava com uma febre de 40°, hoje está com um estado febril de 36,7°”, comparou.

Em seguida, Costa mencionou as restrições impostas pela Lei das Estatais para a nomeação de políticos ou dirigentes partidários e citou o voto do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), contra a atual quarentena imposta pela legislação. O ministrou passou, então, a alternar comentários sobre a Lei das Estatais e sobre a independência do BC.

“Toda vez que se fala em instituição pública independente, a gente tem que se perguntar: independente do quê e de quem?”, questionou. “Nos países em que se adota isso, é levado ao pé da letra: independente do governo e independente do mercado.”

Costa disse ver casos em que executivos saem de um banco comercial e, “às vezes no intervalo de um único dia”, assumem uma função de diretoria no BC. “Isso não é natural, não é correto”, afirmou.

Ele preferiu não responder se falava especificamente de Campos Neto e voltou a comentar o caso da Lei das Estatais. “Todo mundo acha natural, mas um ex-governador assumir cargo público, em direção de estatal, aí não pode?”, acrescentou.

Apesar do questionamento do ministro, diretores do BC são sabatinados pelo Senado Federal e precisam ter suas indicações — feitas pelo presidente da República — aprovadas pelos senadores em plenário.

Costa não confirmou, nem desmentiu, os nomes de Rodolfo Fróes e Rodrigo Monteiro para as duas vagas abertas atualmente na diretoria do BC. Só disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva “recebeu e ratificou” os nomes sugeridos por Haddad.



Acesse o link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade