O que são emissões de escopo 1, 2 e 3 e por que precisamos dessas categorias?

Em nossa busca para reduzir a pegada de carbono e as emissões de gases de efeito estufa (GEE) do mundo, precisamos entender como, onde, quando e quais ações corretivas precisam ser tomadas em toda a cadeia de valor da produção e consumo humanos.

Uma observação superficial provavelmente nos apontaria na direção geral das atividades econômicas, como produção industrial, manufatura moderna, transporte e agricultura. Uma avaliação significativa ou escopo das fontes e formas de emissões é, portanto, um primeiro passo vital, antes de embarcar em uma tentativa de tomar medidas concretas.

É por isso que o Protocolo de Gases de Efeito Estufa, lançado em 1998, assumiu essa tarefa. Ele primeiro sinalizou a categorização dos vários escopos de emissões e os etiquetou com descritores para desenvolver e promover uma contabilidade viável de GEE e padrões de relatórios em 2001. Por meio de um processo internacional inclusivo e transparente, surgiram as categorias de emissões de escopo 1, 2 e 3.

Emissões de escopo 1

São emissões de carbono feitas diretamente por entidades corporativas, privadas ou públicas. Essas emissões podem variar desde os altos-fornos de um conglomerado industrial em vários locais até a operação de extração de uma mineradora estatal. A chave é a palavra – ‘direct’ – ou seja, emissões causadas diretamente por processos e equipamentos da empresa ou organização em questão.

Emissões de escopo 2

Estas são as emissões de carbono feitas indiretamente por uma empresa para facilitar suas operações diárias por meio de compras de energia e serviços públicos, sendo os exemplos mais óbvios a energia, o aquecimento e o resfriamento comprados para administrar um local e produzidos em seu nome. Ao produzi-los para uma empresa, as emissões ocorrem no local onde, por exemplo, a energia é gerada e não nas próprias instalações da empresa. Um ponto importante a ser observado aqui é que, embora constituam emissões de Escopo 2 para a própria empresa compradora, essas emissões se qualificariam como emissões de Escopo 1 para a empresa fornecedora.

Emissões do escopo 3

Essas emissões são onde a cadeia de valor mais ampla entra em foco. Simplificando, as emissões do Escopo 3 são todas as emissões indiretas, excluindo aquelas incluídas no Escopo 2, tanto para cima quanto para baixo na cadeia de valor. Eles respondem pela maior parte das emissões de carbono de qualquer empresa.

De acordo com o Greenhouse Gas Protocol, alguns exemplos de emissões de escopo 3 de uma empresa incluem: compra de bens de capital, serviços, gerenciamento de resíduos, viagens de negócios, uso e processamento de produtos vendidos (por terceiros/clientes), descarte ou reaproveitamento em fim de vida de produtos vendidos (por terceiros/clientes), investimentos, franquias, ativos arrendados (tanto upstream quanto downstream) e transporte (upstream e downstream). Esse amplo espectro de avaliação torna as emissões do Escopo 3 a medida mais difícil.

Esses escopos agora são aceitos internacionalmente, embora o mundo continue lutando para definir um sistema comum e aceitável de contabilidade e benchmarking de carbono. E embora a leitura deste artigo possa ser a primeira vez que você ouviu falar das emissões de escopo 1, 2 e 3, é improvável que seja a última, pois economias e empresas trabalham para lidar com sua pegada de carbono e traçar um caminho para um futuro com zero emissões líquidas de carbono. .

Na verdade, os escopos servem como base para a contabilidade e relatórios de emissões de GEE para empresas em muitas economias da OCDE. O relatório de emissões de Escopo 1 e Escopo 2 é obrigatório em muitos países. Embora ainda haja muito trabalho a ser feito, as emissões de Escopo 1 e Escopo 2 são relativamente simples para as empresas lidarem e controlarem. Por exemplo, usando energia renovável, mudando para veículos elétricos, implantando bombas de calor e adotando políticas de redução e reciclagem de consumo em toda a empresa. Como tal, eles são frutos de baixo risco em nossa marcha para um futuro de baixo carbono a zero.

No entanto, as emissões do Escopo 3 – consideradas a maior fonte de emissões corporativas de carbono – são muito mais difíceis de contabilizar e abordar. Ao contrário do relatório de emissões de GEE para as emissões de Escopo 1 e Escopo 2, o relatório de emissões do Escopo 3 também é opcional, uma vez que todas as emissões relacionadas às atividades da empresa precisam ser contabilizadas desde o local de compra de seus produtos até a forma como seus clientes usam esses produtos.

Estender relatórios e controle de emissões tanto para cima quanto para baixo na cadeia de valor é complicado, para dizer o mínimo. No entanto, esta categoria ampla e abrangente de contabilização e redução de emissões do Escopo 3 é muito necessária para empresas comprometidas com o líquido zero, porque canaliza o poder de persuasão e colaboração.

Abordar as emissões do Escopo 3 motiva as empresas a considerar fazer mudanças em sua cadeia de suprimentos, envolver-se com outras empresas para minimizar a pegada de carbono de aquisições e compras, influenciar terceiros, estender o ciclo de vida de seus produtos (usando os princípios-chave do economia circular – ou seja, compartilhar, alugar, reutilizar, consertar, reformar e reciclar materiais existentes) e, finalmente, tornar-se eles próprios agentes de mudança.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade