O frio é benéfico para o envelhecimento saudável, pelo menos em animais – ScienceDaily

O frio ativa um mecanismo de limpeza celular que decompõe agregações de proteínas nocivas responsáveis ​​por várias doenças associadas ao envelhecimento. Nos últimos anos, estudos em diferentes organismos-modelo já mostraram que a expectativa de vida aumenta significativamente quando a temperatura corporal é reduzida. No entanto, exatamente como isso funciona ainda não está claro em muitas áreas. Uma equipe de pesquisa do Cluster de Excelência em Pesquisa do Envelhecimento CECAD da Universidade de Colônia agora desbloqueou um mecanismo responsável. O estudo ‘A temperatura fria prolonga a longevidade e previne a agregação de proteínas relacionadas a doenças por meio de proteassomas induzidos por PA28γ’ apareceu em Natureza Envelhecimento.

O professor Dr. David Vilchez e seu grupo de trabalho usaram um organismo modelo não vertebrado, o nematóide Caenorhabditis elegans, e cultivaram células humanas. Ambos carregavam os genes para duas doenças neurodegenerativas que ocorrem tipicamente na velhice: esclerose lateral amiotrófica (ALS) e doença de Huntington. Ambas as doenças são caracterizadas por acumulações de depósitos de proteínas prejudiciais e prejudiciais – as chamadas agregações de proteínas patológicas. Em ambos os organismos modelo, o frio removeu ativamente os aglomerados de proteínas, evitando assim a agregação de proteínas que é patológica tanto na ELA quanto na doença de Huntington.

Mais precisamente, os cientistas exploraram o impacto do frio na atividade dos proteassomas, um mecanismo celular que remove as proteínas danificadas das células. A pesquisa revelou que o ativador de proteassoma PA28γ/PSME3 mitigou os déficits causados ​​pelo envelhecimento tanto no nematoide quanto nas células humanas. Em ambos os casos, foi possível ativar a atividade do proteassoma através de uma diminuição moderada da temperatura. “Em conjunto, esses resultados mostram como, ao longo da evolução, o frio preservou sua influência na regulação do proteassoma – com implicações terapêuticas para o envelhecimento e doenças associadas ao envelhecimento”, disse o professor Vilchez.

O envelhecimento é um importante fator de risco para várias doenças neurodegenerativas associadas à agregação de proteínas, incluindo Alzheimer, Parkinson, Huntington e ALS. Vilchez acrescentou: “Acreditamos que esses resultados podem ser aplicados a outras doenças neurodegenerativas relacionadas à idade, bem como a outras espécies animais”. Uma descoberta importante foi que a atividade do proteassoma também pode ser aumentada pela superexpressão genética do ativador. Dessa forma, as proteínas causadoras de doenças podem ser eliminadas mesmo na temperatura corporal normal de 37 graus Celsius. Esses resultados podem fornecer alvos terapêuticos para o envelhecimento e doenças associadas ao envelhecimento.

Há muito se sabe que, embora temperaturas extremamente baixas possam ser prejudiciais aos organismos, uma redução moderada da temperatura corporal pode ter efeitos muito positivos. Por exemplo, uma temperatura corporal mais baixa prolonga a longevidade de animais de sangue frio como vermes, moscas ou peixes, cuja temperatura corporal varia com a temperatura do ambiente. No entanto, o mesmo fenômeno também se aplica aos mamíferos, que mantêm a temperatura corporal dentro de uma faixa estreita, independentemente de quão frio ou quente seja o ambiente. Por exemplo, o nematóide vive muito mais tempo se passar da temperatura padrão de 20 graus Celsius para uma temperatura mais baixa de 15 graus Celsius. E em camundongos, uma ligeira diminuição na temperatura corporal de apenas 0,5 grau aumenta significativamente sua vida útil. Isso apóia a suposição de que a redução da temperatura desempenha um papel central na longevidade no reino animal e é um mecanismo evolutivo bem conservado.

Mesmo em humanos, foi relatada uma correlação entre temperatura corporal e expectativa de vida. A temperatura normal do corpo humano é entre 36,5 e 37 graus Celsius. Enquanto uma queda aguda na temperatura corporal abaixo de 35 graus leva à hipotermia, a temperatura do corpo humano flutua ligeiramente durante o dia e até atinge 36 graus durante o sono. Curiosamente, um estudo anterior relatou que a temperatura do corpo humano diminuiu 0,03 graus Celsius por década desde a Revolução Industrial, sugerindo uma possível ligação com o aumento progressivo da expectativa de vida humana nos últimos 160 anos.

A pesquisa foi realizada no Cluster de Excelência em Pesquisa do Envelhecimento CECAD da Universidade de Colônia.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade