Lilly comprará a European ADC Player Emergence Therapeutics

Foto: Lilly Biotechnology Center em San Diego, CA/iStock

Para impulsionar ainda mais seus negócios de oncologia, a Eli Lilly deu seu primeiro passo na quinta-feira para adquirir a startup europeia Emergence Therapeutics, que se concentra no desenvolvimento de novos conjugados anticorpo-droga para cânceres com alta necessidade não atendida.

A aquisição foi revelada pela primeira vez em um comunicado de imprensa curto da Heidelberg Pharma, indicando que a Lilly comprou todas as ações da biotecnologia alemã na Emergence. A Heidelberg Pharma é uma investidora fundadora da Emergence e receberá cerca de US$ 7 milhões este ano com a transação. A empresa também pode receber um pagamento adicional de US$ 5 milhões, dependendo de certas garantias e marcos clínicos e regulatórios.

Lilly confirmou a notícia da compra para mergulho biofarmacêuticomas se recusou a fornecer mais detalhes sobre seu pipeline de desenvolvimento ADC.

O candidato mais maduro da Emergence é o ETx-22, que tem como alvo a Nectina-4, uma proteína de superfície comumente encontrada em células malignas, mas raramente expressa por células saudáveis. De acordo com a Emergência local na rede Interneto antígeno foi recentemente validado clinicamente pela aprovação da Astellas e Padcev da Seagen (enfortumab vedotin), outro anticorpo-droga conjugado (ADC) que tem como alvo a Nectina-4 para o câncer urotelial.

Usando um linker proprietário e tecnologia de carga útil, a Emergence está desenvolvendo o ETx-22 para ser um ADC de próxima geração, direcionado à Nectina-4, que pode se desconjugar das células tumorais. Essa tecnologia foi projetada para reduzir os efeitos colaterais, como toxicidades cutâneas, que limitam particularmente a dose do Padcev.

A tecnologia também permite doses mais altas de ETx-22, aumentando assim sua eficácia sem desencadear mais preocupações de segurança, de acordo com a empresa. Para apoiar o desenvolvimento do candidato, a Emergence garantiu cerca de $ 94 milhões em apoio da Série A em dezembro de 2021.

A emergência está inicialmente desenvolvendo ETx-22 para câncer de bexiga e de mama triplo negativo, bem como malignidades com níveis moderados e baixos de expressão de Nectina-4, como câncer de pulmão e ovário.

A startup é o mais recente investimento da Lilly para aprofundar seu portfólio de câncer. Em janeiro de 2019, a Lilly comprou a Loxo Oncology por US $ 8 bilhões, adicionando o pipeline de inibidores orais da Loxo para vários tipos de câncer.

Em fevereiro de 2022, a Lilly assinou uma colaboração ADC com a ImmunoGen avaliada em até US$ 1,7 bilhão. Por meio da parceria, a gigante farmacêutica obtém acesso à tecnologia camptotecina da ImmunoGen para desenvolver tratamentos anticancerígenos direcionados à topoisomerase Tipo I.

Além da aquisição da Emergence, a Lilly também assinou dois outros acordos de aquisição apenas neste mês. Na quinta-feira, a empresa farmacêutica anunciou um acordo potencialmente no valor de US$ 300 milhões para comprar sua parceira para diabetes Sigilon Therapeutics, com a qual vem desenvolvendo um tratamento para diabetes tipo 1.

Na semana passada, a Lilly adquiriu a DICE Therapeutics por cerca de US$ 2,4 bilhões. O acordo dará à plataforma proprietária da Lilly DICE a produção de medicamentos de moléculas pequenas que interrompem as interações proteína-proteína para tratar doenças autoimunes e inflamatórias.

Tristan Manalac é um escritor independente de ciência que mora na região metropolitana de Manila, nas Filipinas. Ele pode ser contatado em tristan@tristanmanalac.com ou tristan.manalac@biospace.com.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade