Grande Reserva Mata Atlântica reúne uma das maiores diversidades de espécies de aves do Brasil e do mundo


0Shares

Visualizações 21

Guará/Foto: Leonardo Casadei/WikiAves

Em 17 de maio foi lembrado o Dia das Espécies Ameaçadas, nos dias 22 e 27 teremos, respectivamente, o Dia Internacional da Biodiversidade e o Dia Nacional da Mata Atlântica. Diante destas datas, é importante mencionar que o Brasil é um dos países que concentra no mundo o maior número de espécies de aves em seu território e, por isso, atrai observadores e interessados pela prática de observação de aves de diversos países.

O país soma quase duas mil espécies de aves (mais especificamente 1.971), e é a terceira nação do mundo com a maior diversidade de espécies. Os dados são da Lista de Aves do Brasil, tornada pública em 2021 depois de cinco anos de trabalho realizado por um grupo de pesquisadores voluntários ligados à Sociedade Brasileira de Ornitologia.

Segundo o estudo, o Brasil ainda abriga 293 aves endêmicas – aquelas que, em todo mundo, se manifestam somente naquele território. Fica em terceiro lugar entre os países com a maior taxa de endemismo de aves, atrás apenas da Indonésia (419) e da Austrália (350). Em termos de diversidade de aves do globo, está atrás da Colômbia e junto com o Peru.

Observação de aves na Grande Reserva Mata Atlântica

No caso da Grande Reserva Mata Atlântica – o território de quase três milhões de hectares do bioma Mata Atlântica que passa pelos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo – a prática da observação de aves, ou birdwhatching, em inglês, é um dos grandes diferenciais e com enorme potencial para ainda mais crescimento.

Conforme registros na plataforma Wiki Aves (o maior portal de dados da avifauna brasileira) até abril de 2023, é grande a quantidade de aves que se pode observar nos municípios que fazem parte da Grande Reserva, com vários pontos de concentração de avistamentos (hotspots), sendo Antonina-PR, com 470 espécies registradas, Joinville-SC, com 481, e Peruíbe-SP, com 499, as cidades com maior contagem por estado, ressaltando-se que há várias outras com números semelhantes. O observador de aves pode compor um roteiro regional para ampliar ainda mais a diversão.

Também há destaques por empreendimento. No ano passado, no território da Grande Reserva em São Paulo, o Legado das Águas, maior reserva privada de Mata Atlântica do Brasil, se consolidou como um hotspot para birdwatching. A Reserva abriga mais de 300 espécies de aves, muitas exclusivas do bioma, incluindo ameaçadas de extinção. A diversidade de espécies na Reserva representa 40% de toda avifauna do Estado de São Paulo.

Em 2022, no Global Big Day, o Legado foi destaque: ficou em primeiro lugar, registrando 218 espécies em 24 horas. O que possibilita a grande diversidade de aves são os 31 mil hectares de floresta (quase 5% do território de Santiago) conservada, que abriga também várias outras espécies da fauna brasileira. A Reserva conta com infraestrutura completa para receber os observadores – pousada, restaurante e atrativos turísticos –, além de localização privilegiada: a duas horas e meia de São Paulo capital, facilitando o acesso de turistas. A Reserva também se destaca pelas grandes possibilidades de “lifers”, registros inéditos para alguns observadores de aves.

Litoral paranaense

O município de Antonina, no litoral do Paraná, chegou a acumular, em abril de 2023, 470 espécies. Em Morretes, município vizinho, o número é de 448. “Os índices representam mais que 50% de todas as espécies que podem ser encontradas em área de Mata Atlântica do Nordeste ao Sul do Brasil”, diz Luciano Breves, que trabalha como guia de birdwhatching há mais de 15 anos. “As áreas de preservação que existem nesses municípios, e as diferentes categorias de Unidades de Conservação reunidas pelo território da Grande Reserva, contribuem muito para a existência desses índices, pontua.

Breves recorda que, há pouco mais de uma década, eram mais pesquisadores, acadêmicos e especialistas que faziam a prática da observação de aves, mas, hoje, o número de interessados não só diversificou como multiplicou. Quando comecei como guia, existiam em torno de dois mil observadores ativos, mas, hoje, o número ultrapassa 50 mil no Brasil, o que representa um crescimento acima da média mundial, que cresce, em média, 20% ao ano. Os dados também são do Wiki Aves.

Breves conta que os roteiros são pensados para as necessidades e preferências dos visitantes. E diz que norte-americanos até hoje foram a maioria entre os turistas que ele já guiou, além de pessoas da Inglaterra, Índia, Canadá, República Dominicana, Japão, Alemanha, Holanda e África do Sul, por exemplo.

Raphael Sobania, que também trabalha como guia da prática do birdwhatching há mais de duas décadas e meia, destaca que a região da Grande Reserva é singular para quem deseja ter contato com a visualização e a vocalização de incontáveis aves, muitas que só ocorrem nesta região.

“São Paulo, por exemplo, é um dos polos internacionais de observação de aves, com locais como Cananeia, Iguape e Ilha Comprida. A serra catarinense e, no caso do Paraná, a região do litoral do estado e a Serra do Mar paranaense, são muito ricas em diversas e singulares espécies de aves”, diz.

Ricardo Borges, coordenador de comunicação e relacionamento da Grande Reserva Mata Atlântica, lembra que a existência desse território não só é fundamental para o estímulo do turismo de natureza e geração de renda para todos os envolvidos, como para a preservação de espécies endêmicas, que estão em extinção ou são consideradas vulneráveis, por exemplo. “A Grande Reserva Mata Atlântica é a prova de que as áreas naturais em pé valem infinitamente mais, em múltiplos sentidos, do que degradadas”, pontua.

Marcos Cruz Alves, turismólogo e coordenador da rede de portais da Grande Reserva Mata Atlântica, ressalta o potencial de geração de renda dessa atividade, que vai além da contratação dos guias locais pelos turistas de observação de aves, pois os mesmos também precisam de hospedagem, alimentação e consomem outros serviços e produtos em seus deslocamentos. E quando esse turista viaja acompanhado de seus familiares, estes também consomem produtos e serviços na região, fazendo circular a economia.

Um exemplo de encher os olhos são os números da atividade nos Estados Unidos: o relatório Birding in the United States: A Demographic and Economic Analysis (Observação de aves nos Estados Unidos: uma análise demográfica e econômica) produzido pelo Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA (2016), informou haver 45 milhões de observadores de pássaros nos Estados Unidos, sendo que os gastos associados às despesas com viagens e equipamentos movimentaram cerca de US$ 96 bilhões, 782 mil empregos e US$ 16 bilhões em receita tributária, em um impacto distribuído pelas economias municipal, estadual e nacional. São números inspiradores.

Veja algumas espécies que existem no território da Grande Reserva Mata Atlântica

Bicudinho-do-brejo – É um novo gênero e uma nova espécie recém-descoberta, privativa dos banhados da região meridional litorânea do Paraná e do nordeste de Santa Catarina, encontra-se em alagados com vegetação densa. O ambiente em que vive são os banhados e a vegetação que margeia os rios da planície litorânea paranaense, ambientes ameaçados pelo crescimento de balneários e cidades. Pode ocorrer próximo a áreas urbanizadas.

Bicudinho-do-brejo_Luiz Rondini -WikiAves.

Bicudinho-do-brejo_Luiz Rondini -WikiAves.

Papagaio-de-cara-roxa – Esta espécie de papagaio tem sua ocorrência restrita ao litoral dos estados do Paraná e São Paulo na região Sul-Sudeste do Brasil. Faz o ninho em ilhas cobertas por floresta na baía de Paranaguá, Paraná, no oco de árvores, onde o casal frequentemente fica junto. Coloca cerca de quatro ovos e os filhotes deixam o ninho após dois meses, aproximadamente. Pode ser visto em Guaraqueçaba, Cananeia, Guaratuba, Itapoá e no litoral de São Paulo, por exemplo.

Papagaio-de-cara-roxa_Zig Koch.
Papagaio-de-cara-roxa_Zig Koch.

Jacutinga – A espécie já foi extinta de muitos locais em sua área de ocorrência original, como nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo e sul da Bahia. Por exemplo em Itatiaia (Rio de Janeiro) foi vista pela última vez em 1978; na Serra dos Órgãos (Rio de Janeiro) em 1980. Há, no entanto, um projeto em andamento de reintrodução da espécie na Serra dos Órgãos e região. As principais populações brasileiras da espécie encontram-se no contínuo florestal formado pelos Parques Estaduais Intervales, Carlos Botelho e Alto Ribeira, em São Paulo, onde a população total é estimada em cerca de 2 mil indivíduos. Populações menores ainda podem ser encontradas em Ilhabela, Paraná e Santa Catarina. A espécie também ocorre em países vizinhos, e ainda pode ser encontrada no Paraguai e, principalmente, na província de Misiones, na Argentina. Também ocorrem na região de Foz do Iguaçu, na fronteira Brasil/Argentina.

Jacutinga/Foto: Adrian Rupp_WikiAves

Cisqueiro – Ocorre em vários ambientes florestais acima de 800 metros de altitude. Alguns autores consideram que aglomerados de bambu e matas ao longo de cursos d’água são o ambiente ideal. Embora seja considerada quase ameaçada, no nordeste da Argentina foi encontrada com frequência em ambientes degradados, principalmente em florestas com araucária em regeneração. Restrita ao sudeste da América do Sul, é endêmica da porção meridional da Mata Atlântica. Sua distribuição abrange o nordeste da Argentina, sudeste do Paraguai e sul e sudeste do Brasil, neste último desde o extremo sul de São Paulo até o noroeste do Rio Grande do Sul.

Cisqueiro_Éliton Sloma_WikiAves.
Cisqueiro/Foto: Éliton Sloma_WikiAves

Papa-piri – É localmente comum em brejos, taboais e juncais altos. Voa com frequência à pouca altura, entre moitas de vegetação, e pousa em locais abertos, quando torna-se bastante visível. Movimenta-se constantemente, às vezes permanecendo de cabeça para baixo na vegetação. Presente nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina (região dos lagos/litoral). No inverno alguns indivíduos podem atingir o interior de Santa Catarina e o Paraná. Encontrado também no Peru, Bolívia, Chile, Argentina, Paraguai e Uruguai.

Papa-piri_André Luiz Briso_WikiAves.
Papa-piri/Foto: André Luiz Briso_WikiAves

Guará– O guará foi, por muito tempo, dado como extinto no sudeste do Brasil. Na década de 1980, uma colônia surgiu em um local improvável, o poluidíssimo manguezal de Cubatão. Hoje a ave vem se expandindo. Com a maré montante, repousam em grupos nas árvores do manguezal, onde não são facilmente vistos entre a folhagem. Reúnem-se ao pôr do sol e voam em filas para os locais onde passam a noite. O guará está presente em Trinidad e Tobago (onde é a ave nacional), Colômbia, Venezuela, Guianas e no litoral norte do Brasil.

Guará_Leonardo Casadei_WikiAves.
Guará/Foto: Leonardo Casadei/WikiAves

Maria-catarinense – O habitat da espécie, bordas de matas primárias e secundárias, capoeiras e florestas úmidas de baixada litorânea, tem sido continuamente degradado ou substituído por áreas urbanas ou por plantios desde o início da ocupação do litoral dos Estados do Paraná e de Santa Catarina.

Maria-catarinense_Adrian Rupp_WikiAves.
Maria-catarinense/Foto: Adrian Rupp/WikiAves

Além disso, a proximidade dessas florestas com as áreas já ocupadas em nosso litoral, aliada à facilidade de que se tem para a ocupação das florestas de terras baixas, principalmente pelo próprio relevo, a torna alvo fácil de ações antrópicas. Sem dúvida, este é o tipo de floresta que está mais ameaçado em todo o Bioma da Floresta Atlântica. Poder ser vista em locais como Guaratuba, Matinhos, Morretes e Joinville, por exemplo.

Fonte: Noticia Sustentavel

0Shares



Acesse o link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade