Formigas loucas amarelas machos são quimeras da vida real – ScienceDaily

A formiga louca amarela, ou Anoplolepis gracilipes, tem a infame distinção de estar entre as piores espécies invasoras do mundo. No entanto, esta não é a razão pela qual esta formiga em particular é estudada por uma equipe de pesquisadores internacionais. O que lhes interessa é como os insetos se reproduzem, porque os machos dessa formiga há muito intrigam os cientistas. “Os resultados de análises genéticas anteriores da formiga louca amarela mostraram que os machos desta espécie têm duas cópias de cada cromossomo. Isso foi altamente inesperado, pois os machos geralmente se desenvolvem a partir de ovos não fertilizados em formigas, abelhas e vespas – e, portanto, deve ter apenas uma cópia materna de cada cromossomo”, explicou o Dr. Hugo Darras, professor assistente da Johannes Gutenberg University Mainz (JGU) e principal autor do artigo correspondente recentemente publicado na Ciência. “Com isso em vista, decidimos investigar esse fenômeno intrigante com experimentos subsequentes”.

Dois genomas em diferentes aglomerados de células

Os resultados foram extraordinários. Até então, presumia-se que os machos da formiga louca amarela carregavam os mesmos dois conjuntos de cromossomos em todas as células do corpo. No entanto, a equipe conseguiu demonstrar que essa premissa era tudo menos correta. “Descobrimos que as formigas machos têm genomas materno e paterno em diferentes células de seu corpo e, portanto, são quimeras. Em outras palavras, todos os machos têm dois genomas, mas cada célula de seus corpos contém apenas um ou outro dos dois genomas”, resumiu Darras. Normalmente, em uma forma de vida multicelular – seja um humano, um cachorro ou um morcego – todas as células contêm material genético idêntico.

A equipe de pesquisa conclui que as formigas amarelas loucas machos são quimeras: elas se desenvolvem a partir de ovos fertilizados nos quais os dois gametas parentais não se fundem. Em vez disso, os núcleos materno e paterno se dividem separadamente dentro do mesmo ovo, o que significa que os machos adultos resultantes têm ambas as sequências de DNA dos pais, mas em diferentes células do corpo. Quando os gametas se fundem, uma rainha ou uma operária se desenvolve a partir do óvulo, dependendo da informação genética transportada pelo esperma. Ainda não se sabe quais mecanismos determinam se a fusão dos gametas parentais ocorre ou não.

Quimerismo e a formiga louca amarela: um modo de reprodução até então desconhecido pela ciência

Quimeras são indivíduos cujas células contêm diferentes materiais genéticos. Eles ocorrem naturalmente em certas espécies, como corais e peixes-pescador, nos quais indivíduos separados podem se fundir para se tornarem um. O quimerismo também pode ser encontrado em humanos e outros mamíferos placentários. Durante a gestação, a mãe e o feto podem trocar um pequeno número de células, de modo que a prole geralmente tem algumas células que contêm o mesmo material genético da mãe. Essas trocas em pequena escala também ocorrem entre gêmeos no útero. “Em contraste com esses casos conhecidos, o quimerismo na formiga maluca amarela não resulta da fusão de dois indivíduos separados ou de uma troca de células entre eles. Em vez disso, esse processo tem sua origem em um único óvulo fertilizado. Isso é único”, disse. concluiu Darras. Assim, o desenvolvimento do macho da formiga amarela maluca parece contrariar uma das leis fundamentais da herança biológica em que todas as células de um indivíduo devem conter o mesmo genoma.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade