Conheça a Startup Democratizando a Revolução Energética

A energia solar é a história de sucesso renovável do nosso tempo. Na última década, tornou-se 10 vezes mais barato e é uma das classes de energia que mais cresce atualmente, com a capacidade instalada de painel solar superando todas as outras formas de energia produzida até 2027. Prevê-se que a energia solar fotovoltaica sozinha forneça mais da metade do crescimento das energias renováveis ​​na capacidade global de energia até 2026.

Mas há um grande problema com a energia solar que nem sempre é falado. Estamos criando nova energia dentro de uma infra-estrutura de energia antiga, levando assim os problemas de ontem para o futuro. Hoje, uma grande parte do potencial de energia solar é desperdiçada devido à ineficiência da rede, falta de previsibilidade ou dificuldade no comércio de energia solar. Resolver esses problemas realmente liberaria o potencial da energia solar, tornando-a não apenas mais barata, mas também uma fonte descentralizada de maior igualdade de riqueza – permitindo que qualquer pessoa com painéis solares comercializasse seu excesso de energia.

“O maior desafio para esse tipo de energia é que a rede é baseada em um modelo de 100 anos e é baseada na mentalidade de que se trata de energia centralizada”, diz Radu Puchiu, co-fundador da Tinia, “a grande mudança é que podemos produzir energia em redes locais, então há uma enorme transformação que a rede precisa. Há um estudo que diz que até 80% do potencial de energia renovável será desperdiçado nos próximos anos devido à rede elétrica.”

Puchiu co-fundou a Tinia, uma startup de tecnologia limpa com sede na Romênia – batizada em homenagem ao mitológico etrusco deus do céu – para desbloquear o potencial da energia solar como uma força para a justiça ambiental e social, bem como para resolver os problemas com a ineficiência da rede.

A solução da Tinia é fácil de implementar: funciona dentro da infraestrutura existente, usando a rede, mas resolvendo a questão da transação de energia e ineficiências no nível da microrrede, criando uma camada extra de dados e um sistema operacional para energia distribuída.

“Tudo começou com uma discussão sobre ‘inventar’ uma moeda para transações de energia, logo percebemos que era necessário um sistema operacional – esse provavelmente foi o ponto de virada”, explica Puchiu.

A ideia tornou-se realidade quando a equipa co-fundadora se juntou: “nós nos completamos e trabalhamos em equipa – torna-se fácil progredir rapidamente. É a energia empreendedora de Florin Lung, com o conhecimento técnico de alto nível de Ovidiu Marian e a agilidade operacional de Sandu Babasan. Trago uma perspectiva mais estratégica com minha formação no governo, coordenando estratégias e políticas no Gabinete do Primeiro-Ministro. Foi onde estive em contato próximo com as políticas de sustentabilidade, desde os ODS da ONU até as políticas e esquemas de fundos da UE. Acredito firmemente que temos a solução certa no momento certo”, diz Pichiu.

A solução da Tinia consiste em dois componentes principais: hardware de coleta de dados montado em cada painel solar e uma plataforma baseada em IoT, IA e blockchain que obtém dados do painel solar e torna as transações possíveis.

Com esta plataforma proprietária de hardware-software, IA e blockchain, a Tinia oferece a todos os atores conectados à rede elétrica a possibilidade de transacionar com segurança e transparência seu excedente de energia, bem como maximizar a eficiência da produção de energia solar. “Nosso objetivo é nos tornar o sistema operacional para recursos de energia distribuídos. De residências a fazendas solares, ajudamos os produtores de energia solar a ganhar dinheiro com sua energia não utilizada com sistemas mais eficientes que aceleram a transição para a energia verde e um futuro sustentável em todo o mundo”, diz Pichiu.

Para fazer isso, ele explica que a tecnologia de Tinia aborda três pontos cruciais da energia solar.

previsibilidade

A previsibilidade é necessária para os operadores de redes de parques solares, porque não saber quanta energia eles produzirão limita significativamente seu potencial de negócios. O Tinia fornece previsibilidade de alto nível coletando e lendo dados em um nível granular com hardware colocado em cada painel solar que coleta dados sobre Watts produzidos, temperatura, clima e o ângulo do painel. Esses dados granulares são enviados para o sistema operacional de cada painel e, com a ajuda da IA, o Tinia adiciona dados climáticos, dados de poluição e outros dados que fazem sentido em termos de previsão bem-sucedida dos níveis de produção. A capacidade de coletar e analisar esse nível de dados granulares vai um passo além da maioria das soluções solares existentes e é um diferencial importante.

Confiar

No momento, um certificado verde é apenas uma convenção. Diz que alguém produziu alguma energia e alguém usou essa energia, mas se você olhar em detalhes, não pode dizer se a mesma energia foi ou não relatada como usada por duas ou três outras empresas. Para resolver isso, Tinia cria um certificado verde baseado em blockchain garantindo confiança em todas as transações.

Modelo de transação

Existe uma enorme lacuna entre o atual modelo de rede centralizada e a capacidade das soluções de energia solar como uma forma descentralizada de energia. Para resolver isso, o sistema operacional da Tinia permite que qualquer pessoa que produza energia solar transacione e comercialize localmente. Essa solução solar voltada para a comunidade faz mais sentido em termos de eficiência energética – menos energia é desperdiçada ao percorrer longas distâncias pela rede. Tinia permite redesenhar a forma como produzimos e consumimos energia a nível comunitário.

Tinia alcançou a prova de conceito com sua tecnologia validada pela Technical University em Cluj, a Political University em Bucareste e por meio de professores internacionais de renome na área de energia, incluindo Ami Elazari, fundador da Millennium Renewables, que possui 29 patentes na indústria fotovoltaica.

Agora está levando sua solução para três laboratórios vivos, incluindo uma colaboração com o Departamento de Energia dos Estados Unidos, além de procurar investidores: “fizemos uma parceria com a KPMG para um plano de negócios detalhado de crescimento de dez anos, diz Puchiu. Prevemos três rodadas de investimento nos próximos dois anos para levar nossa solução ao mercado. Implementar a solução em três laboratórios vivos este ano também validará nosso modelo em diferentes regiões e condições”.

O mercado solar residencial é o principal ponto de entrada no mercado da Tinia: sua plataforma proprietária permite vários modelos de monetização, como: assinatura, vendas pontuais e licenciamento. É um modelo resiliente com fluxos de receita diversificados e não correlacionados, altamente escalável para mercados internacionais. Estima-se que o mercado solar residencial cresça a um CAGR de 8% entre 2020 e 2050, atingindo 240 milhões de residências que dependem da energia solar até 2050.

O impacto potencial do trabalho de Tinia é significativo. Embora o ímpeto do mercado de energia solar tenha causado um crescimento de bola de neve, esse crescimento é amplamente baseado em antigos modelos centralizados.

Mas o que a energia renovável representa é uma oportunidade única de democratizar um dos recursos mais preciosos e valiosos que temos – a energia. As energias renováveis ​​podem combater a injustiça da desigualdade de riqueza, dando a qualquer pessoa com painéis solares a capacidade de gerar renda comercializando energia. Ao permitir que os indivíduos comercializem seu excesso de energia solar, a Tinia está capacitando as pessoas a participar ativamente do mercado de energia renovável e se beneficiar financeiramente da revolução verde.

Para a equipe co-fundadora de Tinia, essa visão de energia limpa, segura, previsível e democratizada é um futuro pelo qual vale a pena lutar: “a energia solar não é cara, é barata, mas temos que usá-la com sabedoria”, diz Pichiu. “Utilizá-lo com sabedoria envolve uma revolução de mentalidade nos clientes e nos operadores da rede para entender que é necessário um sistema diferente.

“Não precisamos reinventar a rede e investir em nova infraestrutura, precisamos reinventar o modelo com uma camada de dados e capacidade de realizar transações localmente.”

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade