Quão saborosa é a comida? Um hormônio e células cerebrais especializadas regulam o comportamento alimentar em camundongos – ScienceDaily

Saber quando é hora de uma refeição – e quando parar de comer novamente – é importante para sobreviver e se manter saudável, tanto para humanos quanto para animais. Pesquisadores do Instituto Max Planck de Inteligência Biológica investigaram como o cérebro regula o comportamento alimentar em camundongos. A equipe descobriu que o hormônio grelina ativa células nervosas especializadas em uma região do cérebro conhecida como amígdala. Aqui, a interação entre a grelina e os neurônios especializados promove o consumo de alimentos e transmite a fome e as sensações agradáveis ​​e gratificantes associadas à alimentação.

A fome é uma sensação poderosa com fundamentos biológicos importantes. Ele sinaliza ao corpo para procurar comida, que é um comportamento crucial para evitar a fome e garantir a sobrevivência. Quando estamos com fome, ansiamos por comida – e quando finalmente conseguimos comer, nosso corpo nos recompensa com sensações agradáveis ​​e um estado geral de felicidade.

Uma rede de circuitos cerebrais e vias de sinalização orquestra o comportamento alimentar de humanos e animais e provoca as sensações associadas. Um dos atores centrais dessa rede é o hormônio grelina. É liberado pelas células do estômago quando humanos e animais estão com fome ou em jejum e promove o comportamento alimentar.

O departamento de Rüdiger Klein no Instituto Max Planck de Inteligência Biológica estuda as redes cerebrais que estão por trás do comportamento alimentar em camundongos. Para isso, os pesquisadores realizaram uma análise minuciosa dos diferentes tipos de células em uma região do cérebro conhecida como amígdala central. “Anteriormente, a amígdala era estudada principalmente no contexto de sentimentos como medo e recompensa, enquanto se pensava que a regulação da alimentação acontecia em diferentes partes do cérebro, como o hipotálamo”, diz Christian Peters, pesquisador de pós-doutorado no departamento.

Nove aglomerados de células

Peters e seus colegas analisaram células individuais na amígdala central, estudando moléculas de RNA mensageiro – as cópias funcionais de seus genes nas células. A análise revelou que as células estão organizadas em nove grupos de células diferentes. Alguns desses aglomerados promovem o apetite, enquanto outros o inibem, e eles ajustam sua produção de RNAs mensageiros quando os camundongos são alimentados ou jejuam.

“Agora temos uma compreensão muito melhor da diversidade de tipos de células e dos processos fisiológicos que promovem a alimentação na amígdala central”, diz Rüdiger Klein. “Nossa pesquisa revela pela primeira vez que o ‘hormônio da fome’ grelina também atua nas células da amígdala central”. Lá, ele ativa um pequeno subconjunto de aglomerados de células, marcados coletivamente pela presença da proteína Htr2a, para aumentar a alimentação.

Múltiplas funções para a grelina

Os cientistas descobriram que os neurônios Htr2a se tornaram ativos após um jejum noturno ou quando estimulados pelo hormônio grelina. As células também responderam quando os pesquisadores apresentaram comida aos camundongos. “Achamos que a grelina desempenha múltiplas funções”, explica Christian Peters. “Quando os ratos estão com fome, a grelina ativa as regiões apetitivas do cérebro para predispor os animais a comer. Além disso, o hormônio aumenta a atividade nos circuitos cerebrais, como a amígdala, que conferem recompensas, o que provavelmente é um incentivo para comer alimentos adicionais. ” Dessa forma, a grelina aumenta a palatabilidade dos alimentos proporcionalmente à saciedade dos camundongos.

Após uma dieta em jejum, quando os animais estavam com muita fome, a atividade dos neurônios Htr2a não era necessária para iniciar a alimentação, presumivelmente porque o sabor da comida é menos importante nessas condições. “Outros circuitos cerebrais, por exemplo o hipotálamo, que regula o metabolismo do corpo, assumem o controle e sinalizam aos ratos que é importante comer para sobreviver”, diz Christian Peters.

Sentir fome ou saciedade tem impactos profundos no bem-estar físico, mas também emocional, como provavelmente todos sabem pelos prazeres associados a comer comida saborosa. “As redes neuronais que transmitem esses sentimentos estão obviamente ligadas àquelas que controlam a alimentação, mas não se sabe exatamente como elas se influenciam”, diz Rüdiger Klein.

“Se descobrirmos essas conexões, entenderemos melhor os processos neuronais envolvidos em comportamentos alimentares patológicos, como comer demais”, conclui Christian Peters. “Existem inúmeros fatores biológicos que contribuem para um comportamento tão complexo e temos que olhar para os processos fisiológicos para entender esses fatores”. Em última análise, esse conhecimento pode levar a novas abordagens terapêuticas para aliviar os transtornos alimentares. Por enquanto, a pesquisa estabelece as bases para estudos adicionais para investigar como populações específicas de neurônios estão envolvidas nos circuitos neuronais que controlam a alimentação. Também acrescenta outra peça importante ao quebra-cabeça de entender como o cérebro orquestra o comportamento.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade