Projeto de hospital zera descarte de tecidos hospitalares

Projeto de hospital zera descarte de tecidos hospitalares










0Shares


Visualizações 4

Projeto Up Luxo do Einstein vem destinando 7,8 toneladas de uniformes e enxovais para reutilização em ONGs e empresas que apoiam costureiras das periferias do Brasil

O Einstein, por meio de seu projeto Up Luxo, zerou o descarte de resíduos têxteis hospitalares em aterros sanitários, como uniformes e enxovais. A organização desenvolveu e implementou o Up Luxo, projeto baseado nos conceitos de economia circular, que visa reutilizar os tecidos hospitalares na confecção de bolsas e necessaires produzidas por pessoas em situação de vulnerabilidade social atendidas por ONGs e pequenas empresas parceiras do projeto, promovendo, também, a geração de renda. A iniciativa se soma a outras que atendem ao Plano Diretor de Sustentabilidade da organização, baseado em 11 ODS — Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Hoje, são geradas cerca de 7,8 toneladas de resíduos têxteis no Einstein, como uniformes e enxovais. “O Up Luxo criou mecanismos focados no reuso, na transformação e reciclagem, permitindo que zerássemos o descarte dos mesmos em aterros. Para isso, foram aplicados modelos internos de promoção de inovação, que permitiram que chegássemos à solução”, diz Junia Gontijo, diretora-executiva de Patrimônio, Engenharia e Infraestrutura do Einstein.

O projeto foi desenvolvido internamente com apoio do Health Design Lab, uma das verticais da diretoria de inovação do Einstein. “O que buscávamos era uma ação com viabilidade e sustentabilidade econômica, ambiental e social, que pudesse ganhar escala e passar a fazer parte da rotina de outros hospitais, sejam eles de pequeno, médio ou grande porte. O Up Luxo é altamente escalável”, pontua.

Do hospital à reutilização

Para seguir sua rotina de descarte têxtil, o Einstein higieniza e descontamina todos os itens. Em seguida, os parceiros do projeto, ONGs e empresas que apoiam costureiras das periferias do Brasil, retiram os tecidos na unidade para dar andamento à fabricação de produtos que variam entre bolsas e sacolas retornáveis, baby bags, estojos e nécessaires, que poderão ser vendidos.

Em alguns casos, ao final do processo, o Einstein pode vir a fazer a recompra para distribuição de brindes e doações. Atualmente, a capacidade de produção pelos parceiros é de cerca de 3 mil peças por mês, mas a ideia é que, além de brindes, as ONGs comecem a produzir, também, ecobags para entrega de novos uniformes a funcionários do hospital.

Além de colaborar para minimizar danos ao meio ambiente, bem como para a sustentabilidade ambiental, social e econômica, o Up Luxo também gera trabalho e renda, impactando diretamente 80 costureiras que integram o projeto.

Fonte: Dias mais sustentáveis









0Shares





Acesse o link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade