Proibição da França de voos de curta distância, onde a ferrovia oferece alternativa rápida, assinada hoje

Em dezembro do ano passado, a Comissão Europeia deu sinal verde para a França impedir voos entre o aeroporto de Paris Orly e Nantes, Lyon e Bordeaux. Em 23 de maio, a proibição foi sancionada.

Em comunicado à imprensa, o ministro dos Transportes, Clément Beaune, disse: “Enquanto lutamos incansavelmente para descarbonizar nossos estilos de vida, como podemos justificar o uso do avião entre as grandes cidades que se beneficiam de conexões ferroviárias regulares, rápidas e eficientes?”

Acrescentou que saudou a publicação do decreto que torna efectiva a interdição das companhias aéreas nacionais quando existe uma alternativa inferior a duas horas e meia de comboio. O decreto agora faz parte da Lei do Clima do país.

“Este é um passo essencial e um símbolo forte na política de redução das emissões de gases com efeito de estufa”, sublinhou.

Se, após três anos, o conceito for considerado bem-sucedido, mais rotas de voo serão proibidas.

Novas linhas ferroviárias de alta velocidade – parte do projeto RTE-T da UE de ligações rodoviárias e ferroviárias europeias – tornarão redundantes muitos voos de curta distância em toda a Europa, acreditam planejadores e políticos. Atualmente, leva mais de sete horas para viajar de trem de Milão, na Itália, para Paris, mas com a abertura do túnel de base do Mont Cenis, de 58 quilômetros de extensão, atualmente em construção sob os Alpes Savoy, esse tempo de viagem será reduzido pela metade.

De acordo com as estatísticas da UE, 17 das 20 rotas aéreas mais movimentadas da Europa cobrem distâncias inferiores a 434 milhas, o tipo de distância em que os trens intermunicipais podem oferecer viagens mais rápidas, limpas e sustentáveis.

Quando, em 2021, os legisladores franceses propuseram pela primeira vez a abolição dos voos para três cidades do aeroporto de Orly, os planos foram contestados pela União dos Aeroportos Franceses, bem como pela filial europeia do Conselho Internacional de Aeroportos. Isso levou a uma investigação da Comissão Europeia que concluiu que os planos eram aceitáveis.

Uma proibição quase total de voos de curta distância foi originalmente proposta pela Convenção dos Cidadãos sobre o Clima da França, uma assembléia de cidadãos encarregada de fazer propostas para reduzir as emissões de carbono do país.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade