Poderíamos reduzir sua pegada de carbono?

Os cães são os melhores amigos dos humanos. Seu companheirismo, amor e devoção são valorizados em todas as culturas. Quase todos os donos de animais americanos (95%) veem os animais de estimação como membros da família – acima dos 88% em 2007. A posse de animais de estimação está aumentando em todo o mundo, impulsionada por fatores como a ascensão da classe média. O três principais países para a posse de cães estão localizados em diferentes continentes: Estados Unidos (76,8 milhões), Brasil (52,2 milhões) e China (27,4 milhões). Os gatos também são animais domésticos populares com os mesmos países entre os três primeiros: Estados Unidos (58,4 milhões), China (53,1 milhões) e Brasil (22,1 milhões).

Pesquisa de produtos americanos para animais de estimação relata que 70% dos lares americanos têm pelo menos um animal de estimação. Por alguns contas, “animais de companhia enriquecem a vida de seus donos de várias maneiras, como aumento da atividade física, redução da pressão arterial e redução dos riscos de certas doenças cardíacas. Ter um animal de estimação também tem sido associado a benefícios psicológicos, incluindo aumento da auto-estima em crianças, redução do risco de depressão e aumento do engajamento e coesão social”. De fato, o COVID-19, que reduziu drasticamente as interações sociais, aumentou substancialmente a posse de animais de estimação. A Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra os Animais relata que 23 milhões de lares americanos, ou seja, cerca de “um em cada cinco lares adquiriram um gato ou cachorro desde o início da crise do COVID-19”.

Implicações climáticas da posse de animais de estimação

A crescente população de animais de estimação apresenta desafios únicos. Estudos vinculam animais de estimação urbanos, especialmente gatos, à perda da vida selvagem. Os estudiosos observam questões como a carga fecal, o uso de sacolas plásticas para limpar o cocô de cachorro e as implicações dos brinquedos para animais de estimação nos aterros. Outros expressam preocupação com o impacto ambiental da areia para gatos feita de argila bentonitaque requer mineração a céu aberto, e recomenda fortemente opções orgânicas.

Muitas pessoas esbanjam atenção e recursos com seus animais de estimação. Isso é particularmente verdadeiro para a coorte de 18 a 25 anos, que também tende a ser pró-clima. Quando questionados sobre os artigos/serviços que compram para os seus animais de estimação, os inquiridos referem comida especializada ou receitada (44%), presentes de aniversário (39%), bolos de aniversário (34%), presentes de Natal/férias (34%), vestuário e disfarces ( 32%) e alimentos para animais de alta qualidade (28%).

Um artigo recente em O Economista observa que, na América Latina, as famílias tradicionalmente alimentavam seus cães com restos de comida. Mas, cada vez mais, eles compram comida nas lojas. Consequentemente, os cães agora obtêm cerca de 40% de suas calorias de alimentos comprados em lojas. O artigo relata que “(p)et proprietários estão comprando petiscos mais finos. A Euromonitor estima que as vendas de ração para cães no México cresceram 25% em termos reais desde 2013.” Essa tendência também é visível em outras regiões. O artigo cita o proprietário de uma loja na Finlândia que afirma que sua loja de animais “não vende apenas uma grande variedade de alimentos preparados para animais, incluindo sorvete para cães, … ela também possui dois grandes freezers de carne fresca. Os assistentes dizem que é cada vez maior o número de donos de cães que adicionam esta carne à comida preparada, acreditando ser mais natural e saudável.”

Qual é o tamanho da pegada ecológica dos alimentos para animais de estimação? Globalmente, se os animais domésticos fossem um país, eles seriam classificados 5 ª no consumo de carne atrás da China, Estados Unidos, Brasil e Rússia. Um recente livro sugeriu que a pegada de carbono de um cão é comparável à de um SUV (para uma visão contrária, Veja isso). Em média, a pegada ecológica de um cão japonês é igual à pegada alimentar de um cidadão japonês. Na China, a pegada ecológica dos cães é igual à de 70 a 245 milhões de cidadãos chineses. Nos EUA, a pegada de carbono anual de produtos de animais de estimação é de cerca de 64 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente (ou emissões anuais de 14,2 milhões carros movidos a gasolina). Para perspectiva, como o New York Times relatórios, as emissões anuais do Projeto Salgueiro do Alasca seriam iguais a cerca de 2 milhões de carros movidos a gasolina.

Como reduzir a pegada de carbono?

Animais domésticos são um aspecto importante da existência humana e desempenham um papel crítico em nossa vida. Eles fazem parte da família e definem quem somos. Portanto, o desafio climático é encontrar maneiras de apoiar a posse de animais de estimação, mas reduzir sua pegada de carbono.

Mudar as dietas é talvez o mais óbvio primeiro. Os gatos são “carnívoros obrigatórios” que devem comer carne. Mas os cães não precisam de carne em todas as refeições. Alguns estudos mostram que as dietas veganas são provavelmente mais saudáveis ​​para cães do que as de carne. Talvez seja aqui que as mudanças possam começar. Alguns sugerem que os proprietários alimentem seus animais de estimação com mais nutrientes do que o necessário. Consequentemente, a indústria de alimentos para animais de estimação respondendo a Demanda do consumidor em vez de requisitos nutricionais, fornece produtos ricos em carne.

Tal como acontece com os humanos, a ração vegetariana para animais de estimação tem uma pegada de carbono menor do que uma dieta com infusão de carne. Mas mesmo neste último que os indivíduos compram nas lojas, há diferenças. Alimentos secos geram menos emissões de carbono do que alimentos úmidos, porque “90% das calorias nas dietas úmidas vieram de ingredientes de origem animal, em comparação com 45% nas dietas secas.” Essas diferenças têm um enorme impacto geral. Dentro do contexto de Brasil, um estudo concluiu que a pegada de carbono anual de um cão de 10 kg depende da alimentação: 828 kg de emissões para alimentos secos, mas 6.541 kg para uma dieta úmida. Para referência, a pegada de carbono anual de um brasileiro é de 6.690 kg de emissões de carbono.

Em suma, a mudança climática tem uma importante dimensão de superconsumo. Como resultado, a ação climática exigirá mudanças nas políticas públicas e estilos de vida individuais. Já existe um debate sobre o imperativo moral de reduzir os voos e modificar as escolhas alimentares humanas. Talvez seja necessário estender esta discussão para a pegada de carbono dos alimentos que fornecemos aos nossos animais de estimação.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade