Nova descoberta para aumentar o volume do suplemento de fibra sem glúten – ScienceDaily

Os cientistas construíram pela primeira vez o genoma de referência para a fonte do popular suplemento de fibra, casca de psyllium, que poderia aumentar o fornecimento do versátil produto derivado de plantas.

Especialistas da Universidade de Adelaide conduziram pesquisas sobre o psyllium, também conhecido como Plantago ovata.

“Extraímos e sequenciamos o ácido desoxirribonucléico (DNA) do tecido foliar para construir o genoma de referência em nível de cromossomo para Plantago ovata e usou ácido ribonucleico (RNA) de outras partes da planta para prever a função de seus genes”, disse Rachel Burton, professora da Universidade de Adelaide, pesquisadora da Escola de Agricultura, Alimentos e Vinhos.

“Este é um desenvolvimento significativo porque abrirá caminho para melhorias na qualidade e quantidade de cultivos de psyllium”.

O DNA é a molécula que contém a informação genética necessária para o desenvolvimento e funcionamento de um organismo, enquanto o RNA atua como um mensageiro, transportando instruções do DNA para construir proteínas.

Esta descoberta foi publicada na revista Relatórios Científicos e é o resultado de uma investigação de uma década de pesquisadores da Universidade de Adelaide sobre a composição genética da planta.

Psyllium tem sido usado para fins alimentares e medicinais por milhares de anos.

As sementes da planta são moídas para produzir uma fibra solúvel usada em produtos farmacêuticos e suplementos para melhorar a saúde intestinal e controlar o colesterol no sangue.

Psyllium também é um ingrediente comum em alimentos sem glúten. As sementes e suas cascas são naturalmente isentas de glúten e, quando misturadas com água, produzem uma substância pegajosa que replica algumas das funções do glúten no pão.

Essa qualidade torna o psyllium um ingrediente essencial no pão sem glúten e pode ser usado em toda uma gama de outros produtos de panificação. Com o tamanho do mercado de alimentos sem glúten estimado em US$ 8,3 bilhões em 2025, a demanda por psyllium deve aumentar.

A planta é altamente suscetível a mudanças nas condições ambientais e doenças que afetam não apenas o rendimento, mas também o preço e a qualidade desse valioso produto.

“Até o momento, os esforços para melhorar a qualidade e a quantidade da casca de psyllium foram prejudicados pela falta de um genoma de referência”, disse o Dr. James Cowley, da Universidade de Adelaide, que também é da Escola de Agricultura, Alimentos e Vinhos e co- autor deste estudo.

“O desenvolvimento de um produto de alta qualidade Plantago ovata O genoma de referência não apenas ajudará a impulsionar os programas de reprodução, mas também apoiará experimentos em laboratório para entender melhor como os carboidratos nas plantas são construídos, para que possamos adaptá-los para usos alimentícios e farmacêuticos”.

A primeira autora, Dra. Lina Herliana, conduziu esta pesquisa durante seu doutorado no Campus Waite da Universidade de Adelaide.

“Prevemos que a disponibilidade deste genoma de referência levará ao desenvolvimento de novas cultivares com rendimentos mais altos e mais adaptáveis ​​às condições ambientais. Isso estabilizará a produção de produtos de psyllium e os preços de sementes ou cascas”, disse o Dr. Herliana.

O projeto de longo prazo para entender a biologia fundamental do psyllium foi apoiado por um Centro de Excelência e Projeto de Ligação do Conselho de Pesquisa Australiano.

Espera-se que esta descoberta acelere novas pesquisas sobre melhoramento genético e reprodução de psyllium.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade