Mantendo o SARS-CoV-2 fechado para negócios com pequenas moléculas – ScienceDaily

As infames proteínas spike na superfície do SARS-CoV-2 ajudam a ligar e entrar nas células humanas. Devido ao seu importante papel na disseminação da infecção, essas proteínas spike são um dos principais alvos das vacinas e tratamentos da COVID-19. Mas esses remédios perdem gradualmente a eficácia quando certos segmentos das proteínas spike sofrem mutações. Agora, os pesquisadores relatam em ACS Ciência Central que eles descobriram pequenas moléculas que atingem com sucesso outros segmentos que sofrem menos mutações.

As proteínas Spike mudam de forma quando atacam uma célula. Em sua estrutura “aberta”, eles expõem uma seção conhecida como domínio de ligação ao receptor (RBD) para que possa se ligar à proteína ACE2 nas células humanas. Na estrutura “fechada”, esse segmento RBD está inserido na proteína spike e não pode se ligar às células humanas. Os anticorpos contidos em algumas terapias com COVID-19 ou estimulados por vacinas ou infecções têm como alvo o domínio RBD, de modo que ele não pode se ligar ao ACE2. No entanto, algumas variantes emergentes do coronavírus contêm mutações no fragmento RBD. Isso significa que vacinas e terapias de anticorpos projetadas para atingir esse fragmento podem se tornar menos eficazes à medida que o vírus sofre mutações.

Para contornar esse problema, outras partes menos propensas a mutações da proteína spike podem ser direcionadas. Uma possibilidade é um bolso na proteína spike que foi apelidada de calcanhar de Aquiles do vírus. Quando este recanto é ocupado por ácidos graxos livres (FFAs) ou alguns outros compostos, a proteína permanece trancada em sua configuração fechada e inofensiva. No entanto, esses compostos não são tratamentos adequados porque não são estáveis ​​ou se ligam fracamente. Então, Jianhui Huang, Niu Huang e seus colegas decidiram procurar outros tratamentos potenciais que não tivessem essas falhas.

Usando modelagem de computador, a equipe examinou uma biblioteca de pequenas moléculas, procurando aquelas que pudessem deslizar para dentro desse bolso e aderir firmemente à proteína spike, mantendo-a na forma fechada. Os pesquisadores então usaram ressonância de plasmon de superfície e outras técnicas para avaliar análogos dessas moléculas para melhor ligação e solubilidade. Os compostos resultantes, que podem se ligar a proteínas de pico do coronavírus original, bem como da variante ômicron BA.4, podem servir como ponto de partida para o desenvolvimento de tratamentos de amplo espectro para o COVID-19, diz a equipe.

Os autores agradecem o apoio da Comissão Municipal de Ciência e Tecnologia de Pequim e da Universidade de Tsinghua.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade