Cria óculos com lixo plástico, vende 8 mil unidades por mês e cliente pode pagar com garrafas e vasilhames


Malcolm Rendle ficou perturbado com a poluição escondida no Río de la Plata. Ela transformou essa indignação em um empreendimento de moda sustentável. Já reciclou 35 mil quilos de resíduos plásticos: “Quero abrir os olhos das pessoas para este problema”

Plástico para oculos. É isso que a Bond eyewear faz, um empreendimento de Malcolm Rendle  capaz de produzir 8.000 óculos de plástico reciclado do lixo . O jovem de 30 anos também criou um sistema para promover a sustentabilidade: você pode pagar os óculos diretamente com o plástico doméstico. Um par de óculos grátis pode custar cerca de cinquenta quilos de material reciclado.

O início do projeto remonta a 2017. Malcolm trabalhava em uma agência de marketing localizada em Vicente López quando foi alarmado por uma realidade ameaçadora. Ele havia crescido no bairro baixo de San Isidro, perto do rio. Ele confessa ser um amante da água. Ele alertou que a maré baixa permitia distinguir resíduos, entre a espuma e a terra preta da costa de La Plata: “Eu ia correndo pela estrada litorânea e via a quantidade de lixo tanto na orla quanto nas águas do Rio da Prata. Voltei para casa bastante indignado. isso me perturbou”. Segundo estatísticas globais, 20.000 garrafas plásticas são compradas a cada segundo e apenas 7% são recicladas. Há lixo plástico suficiente no mundo para cobrir um país inteiro do tamanho da Argentina (2,78 milhões de quilômetros quadrados). A poluição plástica está na agenda das Nações Unidas desde 2012.

Longe de ficar parado, ele fez o que os empreendedores fazem: pensar em ideias e executá-las. O gatilho para tudo foi a pergunta que foi feita: “Como faço para abrir os olhos das pessoas para o que está acontecendo aqui?”.

Tudo fazia sentido. O produto final seriam armações feitas de plástico poluente. Desde 2018, não só aderiu à moda sustentável dos acessórios, como também tenta mudar o paradigma: os  óculos como símbolo da mudança de olhar . “O objetivo é fazer compreender a forma como pensamos os materiais plásticos quando chegam ao fim do seu ciclo de vida”, sustenta.

Gerando valor a partir do lixo

Este jovem entusiasmado fez o seu caminho sozinho e lentamente. Curioso, autodidata e motivado, leu, pesquisou, analisou custos e viabilidade. Passada a análise de mercado, as possibilidades e o potencial, chegou a hora de colocar em prática. 2017 foi o ano crucial de tentativa e erro . Cada plástico tem suas características, algo que desconhecia. Ele primeiro tentou criá-los com uma impressora 3D, que funcionou, mas não foi eficiente. “Em média, cada um levava quarenta minutos para imprimir. O bico da impressora estava entupido, a mesa da impressora não estava quente o suficiente.”

Finalmente, ele conseguiu dar um método de produção eficiente por meio de injeção. “Tudo começa com uma garrafa que é amassada, lascada e derretida em um filamento que é peletizado e colocado nos copos”, explica. Isso permite que você ganhe quase 10.000 por mês.  Até 2022, a meta é ambiciosa: produzir 35.000 .

Cada peça confeccionada pela Bond pode ser reciclada novamente: quando o usuário quiser renovar o visual, pode fazê-lo sem gerar sobras. “Falamos para o cliente: ‘traga seu óculos bond, damos 30% de desconto na próxima compra’. A frente e o quadro são derretidos para obter o filamento e começa novamente.

Outra forma de incentivar o compromisso ambiental é pagando com lixo plástico. A ação comercial “Pague com plástico” tem duas condições: que o lixo seja doméstico (garrafas, embalagens de detergente, embalagens de xampu, potes de iogurte) e não industrial, eletrônico ou de construção; e que estejam limpos e compactados. “Você pode trazer seu lixo, ele é pesado e por cada quilo você ganha 2% de desconto. Isso é cumulativo e não tem prazo de validade.

O último passo foi batizar a marca: batizou-a de Bond, que se traduz em espanhol como link. Uma maneira de construir um relacionamento com os clientes. “Quero que eles escolham o produto pelo que é feito, não pelo que é.” O que ele achava que ia vender em seis meses, foi vendido em quarenta dias . Na pandemia, abriu sua loja San Isidro, além de sua loja digital. Também exporta para Uruguai, Chile, Costa Rica e Panamá. Em breve chegará à Europa. Emprega 17 pessoas e tem à venda 160 modelos de óculos de sol e óculos de leitura .

“Oferecendo uma nova geração em design sustentável, queremos que você abra seus olhos com nossos óculos e assim mostre uma nova forma de ver o mundo”, anunciam em seu site. Temos um espírito rebelde e acreditamos que a mudança é possível juntos. É desperdício quando não é usado. Uma economia circular e uma sociedade com desperdício zero são possíveis, e é por isso que nos esforçamos para construir o que acreditamos ser o futuro da manufatura.”



Acesse o link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade