Compreensão da evolução da motilidade celular avança – ScienceDaily

Os pesquisadores da Universidade Metropolitana de Osaka criaram as formas de vida móveis que têm o menor genoma até agora. Eles introduziram sete proteínas, pensadas para deixar Espiroplasma bactérias nadam em espiral, em uma cepa de bactérias sintéticas. As pequenas bactérias sintéticas esféricas têm informação genética mínima, permitindo-lhes apenas crescer e se dividir. Com a expressão dessas proteínas adicionais, as bactérias sintéticas formaram hélices e foram capazes de nadar, tornando-as as menores formas de vida móveis geneticamente.

A origem de todos os movimentos biológicos, incluindo caminhar, nadar ou voar, pode ser rastreada até os movimentos celulares; no entanto, pouco se sabe sobre como a motilidade celular surgiu na evolução.

Uma equipe de pesquisa liderada pela estudante de pós-graduação Hana Kiyama, da Graduate School of Science da Osaka City University, e pelo professor Makoto Miyata, da Graduate School of Science da Osaka Metropolitan University, introduziu sete proteínas, que se acredita estarem diretamente envolvidas na Espiroplasma bactérias para nadar em uma bactéria sintética chamada syn3 – através da engenharia genética. syn3 foi projetado e quimicamente sintetizado para ter o menor DNA genômico possível, incluindo o mínimo de informação genética essencial necessária para o crescimento dos menores genomas de ocorrência natural Mycoplasma bactérias.

“Estudar a menor bactéria do mundo com o menor aparato motor funcional pode ser usado para desenvolver o movimento de microrrobôs que imitam células ou motores baseados em proteínas”, disse o professor Miyata.

Este syn3 geneticamente reprojetado mudou de sua forma esférica normal para uma hélice em espiral, que era capaz de nadar invertendo a direção da hélice exatamente como Espiroplasma. Uma investigação mais aprofundada revelou que apenas duas dessas proteínas recém-adicionadas eram necessárias para tornar o syn3 capaz de nadar minimamente.

“Pode-se dizer que nosso syn3 nadador é a ‘menor forma de vida móvel’ com a capacidade de se mover por conta própria”, disse o professor Miyata. “Espera-se que os resultados desta pesquisa avancem na forma como entendemos a evolução e as origens da motilidade celular”.

Assista ao vídeo explicando o estudo em

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade