Casa Branca propõe imposto de energia de 30% para lidar com os custos ambientais da mineração criptográfica

se você mina ativos digitais– como criptomoeda – seu trabalho pode ficar um pouco mais caro em breve.

A Casa Branca tem planos anunciados pedir aos criptomineiros que paguem um prêmio pelo consumo de energia. do presidente Biden orçamento proposto para o ano fiscal de 2024 inclui um imposto Digital Asset Mining Energy (DAME) igual a 30% da eletricidade usada na criptomineração.

Cripto Mineração

A mineração de ativos digitais é um processo para validar transações em uma rede. Como ninguém controla a rede, nenhuma conta centralizada registra débitos e créditos automaticamente. Os registros de usuários compartilhados são adicionados a um livro-razão distribuído – o equivalente virtual dos antigos livros contábeis verdes. A verificação dessas transações é essencial e requer computadores de alta potência para realizar cálculos complicados rapidamente. Mas há uma recompensa: se você for o primeiro a inserir um novo “bloqueio” no registro permanente de transações, receberá uma recompensa, geralmente moedas criptográficas recém-cunhadas.

O problema

A combinação dessas fórmulas complexas e a corrida para ser o primeiro significa que o sucesso geralmente depende do uso de computadores de alta potência. O resultado é que os mineradores podem usar muita energia. O aumento do consumo de energia, a administração afirma, resulta em efeitos ambientais adversos, incluindo poluição do ar e da água, e um aumento nos preços da energia para aqueles na comunidade que compartilham uma rede elétrica com mineradores. E, eles argumentam, esses impactos ambientais existem mesmo quando as mineradoras usam a energia limpa existente.

A proposta

A solução? Um imposto especial de consumo sobre o uso de eletricidade por mineradores de ativos digitais. De acordo com a proposta do governo, qualquer empresa que usasse recursos de computação – próprios ou alugados – para minerar ativos digitais estaria sujeita a um imposto especial de consumo igual a 30% dos custos de eletricidade relacionados.

Para calcular o imposto, as empresas seriam obrigadas a relatar a quantidade e o tipo de eletricidade usada, bem como o valor da eletricidade. Aqueles que produzem ou adquirem energia fora da rede estariam sujeitos a impostos com base em uma estimativa dos custos de eletricidade.

O imposto não entraria em vigor imediatamente. A partir de 2024, o imposto seria escalonado ao longo de três anos – 10% no primeiro ano, 20% no segundo e 30% no terceiro.

As razões

O imposto parece alto, mas o governo acredita que é justificável. no recente Relatório Econômico do Presidenteeles citam estimativas do Goldman Sachs que sugerem que a criptomineração representou mais de 2% do consumo de energia dos EUA no início de 2022. O relatório também observa que a quantidade de eletricidade usada para minerar bitcoins nos EUA é aproximadamente a mesma usada para fornecer energia todos os computadores domésticos ou iluminação residencial do país.

Nem toda mineração de ativos digitais usa a mesma quantidade de energia. Por exemplo, proof-of-stake – a corrida para ser o primeiro – tende a ter mais poder do que proof-of-stake – que usa mineradores específicos para validar transações. De acordo com o relatório do presidente, o Bitcoin
BTC
que representava mais de um terço do valor de todos os criptoativos em dezembro de 2022, é extraído usando prova de trabalho, enquanto o Ethereum
ETH
mudou para proof-of-stake em setembro de 2022.

Ainda assim, a Casa Branca diz que o consumo de energia vinculado à mineração de ativos digitais é “muito real e impõe custos muito reais”. Além da poluição e dos preços mais altos, operar uma rede elétrica na capacidade máxima ininterruptamente pode causar falhas na infraestrutura não projetada para uso de alta intensidade.

E, à medida que as máquinas antigas queimam (o hardware de mineração criptográfica pode se tornar obsoleto aproximadamente a cada 1,5 anos), elas se tornam “lixo eletrônico” — resultando em danos à saúde humana e ao meio ambiente. É a mesma ideia de jogar fora o celular, mas em uma escala maior. Digiconomista estimou que uma única transação de bitcoin pode gerar mais lixo eletrônico do que dois iPhones (mas menos do que um iPad).

Um estado entra em ação

À medida que os preços aumentam e aumentam as preocupações sobre o impacto ambiental da mineração de criptomoedas, pelo menos um estado tomou medidas para tentar contê-la. No ano passado, Nova York aprovou uma lei que impõe um moratória temporária sobre novas licenças para usinas de energia de combustível fóssil que abrigam mineração de criptomoeda de prova de trabalho – a lei pode desencorajar novas empresas de se mudarem para o Empire State. Embora algumas empresas tenham manifestado preocupação com a nova lei, muitos grupos ambientais esperam que outros estados sigam o exemplo.

Politica Nacional

A Casa Branca diz, no entanto, que uma política nacional é necessária para “garantir que a criptomineração não seja simplesmente empurrada de uma comunidade local para outra”. O imposto DAME é apenas um dos esforços propostos pela Casa Branca para garantir “o desenvolvimento responsável dos ativos digitais, modernizar seu tratamento tributário e mitigar os riscos à estabilidade financeira”. O imposto é estimado arrecadar US$ 3,5 bilhões em receita em dez anos,

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade