ASCO: Combinação de imunoterapia contra câncer de Gilead e Arcus enfrenta escrutínio sobre taxas de sobrevivência mais baixas

A Gilead Sciences, Inc. e a Arcus Biosciences, Inc. divulgaram resultados atualizados de um estudo de Fase II de sua combinação experimental de imunoterapia contra o câncer, provocando mais debates e especulações na comunidade médica. A combinação anti-TIGIT/anti-PD-L1, posicionada como um possível tratamento de primeira linha para câncer de pulmão de células não pequenas, gerou reações mistas com a divulgação inicial dos dados em dezembro. A análise mais recente, apresentada na reunião da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) no sábado, relatou taxas de sobrevida livre de progressão mais baixas em comparação com a atualização anterior, levantando questões sobre o ensaio clínico observado de perto.

A Gilead minimizou as diferenças nos dados, afirmando que a evolução dos resultados da análise provisória anterior para a análise atual demonstrou consistência nos resultados com um tamanho de amostra maior e acompanhamento mais longo. As empresas planejam aproveitar esses dados como prova de conceito para seus três estudos de Fase III em andamento em vários cenários de câncer de pulmão de células não pequenas, bem como um estudo essencial em andamento para câncer gástrico. Apesar do declínio nas taxas de sobrevida livre de progressão, Gilead e Arcus acreditam que o benefício observado ao longo do tempo será mantido nos estudos adicionais.

Em uma coorte de 50 pacientes, a combinação do anticorpo anti-TIGIT domvanalimab e do medicamento anti-PD-L1 zimberelimab resultou em uma sobrevida livre de progressão mediana de 9,3 meses. Outra coorte de 50 pacientes que testaram os mesmos compostos em combinação com o antagonista do receptor duplo de adenosina etrumadenant alcançou uma sobrevida mediana livre de progressão de 9,9 meses. Esses números marcaram um declínio em relação à atualização anterior, que relatou taxas médias de sobrevida livre de progressão de 12,0 e 10,9 meses para os braços duplo e triplo, respectivamente.

Embora os dados de sobrevida global ainda estejam em estágios iniciais, seu significado em termos de aprovação regulatória permanece incerto. Bill Grossman, vice-presidente sênior de desenvolvimento clínico de oncologia da Gilead, enfatizou que a sobrevida geral é o ponto final mais importante para avaliação.

As empresas também testaram o braço de monoterapia do composto anti-PD-L1 separadamente, que mostrou uma sobrevida livre de progressão mediana consistente de 5,4 meses em ambas as atualizações. No entanto, nenhuma análise de significância estatística foi realizada para comparar o braço de monoterapia com os braços duplo e triplo.

A divulgação dos dados do julgamento de 150 pessoas no sábado seguiu extensa especulação e antecipação do mercado. A atualização de dezembro marcou a primeira instância de Gilead e Arcus fornecendo números concretos após vários comunicados à imprensa destacando o sucesso sem divulgar dados.

A indústria farmacêutica tem sido altamente otimista sobre o potencial das terapias TIGIT, considerando-as como imunoterapias potencialmente transformadoras que podem ser combinadas com drogas PD-1 de grande sucesso. No entanto, o campo sofreu reveses, incluindo o fracasso de dois estudos proeminentes da Roche no ano passado, que lançaram uma sombra sobre a pesquisa focada no TIGIT. O estudo SKYSCRAPER-01, que investigou o tiragolumabe anti-TIGIT em combinação com Tecentriq para câncer de pulmão de células não pequenas metastático, levou os analistas a questionar a validade de um estudo anterior de Fase II, gerando ceticismo na comunidade médica.

Apesar dos desafios, Grossman da Gilead continua confiante no potencial de direcionar a via TIGIT em terapias combinadas. Ele apontou um estudo bem-sucedido da Roche sobre câncer de fígado e a decisão da Gilead de testar um anticorpo anti-TIGIT com respostas imunes reduzidas como motivos para otimismo. Grossman acredita que a próxima geração de tratamento padrão provavelmente envolverá combinações de ativos imuno-oncológicos.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade