A saúde intestinal pode influenciar a probabilidade de desenvolver a doença de Alzheimer – ScienceDaily

Poderia mudar sua dieta desempenhar um papel na desaceleração ou mesmo na prevenção do desenvolvimento da demência? Estamos um passo mais perto de descobrir, graças a um novo estudo da UNLV que reforça a há muito suspeitada ligação entre a saúde intestinal e a doença de Alzheimer.

A análise – liderada por uma equipe de pesquisadores do Instituto de Medicina Personalizada de Nevada (NIPM) da UNLV e publicada nesta primavera na revista Nature Relatórios Científicos – examinou dados de dezenas de estudos anteriores sobre a conexão cérebro-ventre. Os resultados? Existe uma forte ligação entre determinados tipos de bactérias intestinais e a doença de Alzheimer.

Entre 500 e 1.000 espécies de bactérias existem no intestino humano a qualquer momento, e a quantidade e a diversidade desses microrganismos podem ser influenciadas pela genética e pela dieta.

A análise da equipe UNLV encontrou uma correlação significativa entre 10 tipos específicos de bactérias intestinais e a probabilidade de desenvolver a doença de Alzheimer. Seis categorias de bactérias — Adlercreutzia, grupo Eubacterium nodatum, Eisenbergiella, grupo Eubacterium fissicatena, Gordonibacter, e Prevotella9 — foram identificados como protetores, e quatro tipos de bactérias — Collinsella, Bacteroides, Lachnospira, e Veillonela – foram identificados como um fator de risco para a doença de Alzheimer.

Certas bactérias nos intestinos dos humanos podem secretar ácidos e toxinas que diluem e penetram no revestimento intestinal, interagem com o APOE (um gene identificado como um importante fator de risco para a doença de Alzheimer) e desencadeiam uma resposta neuroinflamatória – afetando a saúde do cérebro e várias funções imunológicas e potencialmente promovendo o desenvolvimento do distúrbio neurodegenerativo.

Os pesquisadores disseram que sua nova descoberta dos grupos bacterianos distintos associados à doença de Alzheimer fornece novos insights sobre a relação entre a microbiota intestinal e a forma mais comum de demência no mundo. As descobertas também avançam na compreensão dos cientistas de como um desequilíbrio dessa bactéria pode desempenhar um papel no desenvolvimento do distúrbio.

“A maioria dos microorganismos em nossos intestinos são considerados boas bactérias que promovem a saúde, mas um desequilíbrio dessas bactérias pode ser tóxico para o sistema imunológico de uma pessoa e estar ligado a várias doenças, como depressão, doenças cardíacas, câncer e doença de Alzheimer”, disse. disse o professor de pesquisa da UNLV, Jingchun Chen. “A mensagem para levar para casa aqui é que seus genes não apenas determinam se você corre o risco de contrair uma doença, mas também podem influenciar a abundância de bactérias em seu intestino”.

Embora sua análise tenha estabelecido categorias abrangentes de bactérias tipicamente associadas à doença de Alzheimer, a equipe do UNLV disse que mais pesquisas são necessárias para detalhar as espécies bacterianas específicas que influenciam o risco ou a proteção.

A esperança é um dia desenvolver tratamentos personalizados para um paciente individual e sua composição genética, como medicamentos ou mudança de estilo de vida. Estudos demonstraram que mudanças no microbioma intestinal por meio do uso de probióticos e ajustes na dieta podem impactar positivamente o sistema imunológico, a inflamação e até a função cerebral.

“Com mais pesquisas, seria possível identificar uma trajetória genética que poderia apontar para um microbioma intestinal que seria mais ou menos propenso a desenvolver doenças como a doença de Alzheimer”, disse o principal autor do estudo e aluno de pós-graduação da UNLV, Davis Cammann, “mas também temos que lembrar que o bioma intestinal é influenciado por muitos fatores, incluindo estilo de vida e dieta.”

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade