A jornada da água, da fonte ao recurso multivalorado

No final de março, as Nações Unidas realizaram sua primeira Conferência sobre Água em quase meio século. Sua localização – Nova York – forneceu uma geografia atraente para aprender com o século passado de gerenciamento de água com ênfase na valorização da água como um recurso fundamental para as pessoas e um foco correspondente na proteção e fornecimento de água limpa.

Por um bom motivo – na verdade, cerca de 2 bilhões de bons motivos – grande parte do diálogo na Conferência se concentrou em como garantir que todos no mundo tenham acesso a água potável e saneamento (cerca de 2 bilhões de pessoas não têm acesso a água potável gerenciada com segurança e 3,6 bilhões, quase metade da população mundial, não têm acesso a saneamento gerenciado com segurança).

Mas o diálogo também revelou uma evolução emergente no pensamento sobre o que é a água, o que ela fornece e como deve ser gerenciada. Essa evolução começa desde a fundação da valorizando a água e se expande para valorizando sistemas resilientes.

Esta evolução não substitui ou dilui a primazia da valorização da água como recurso fundamental para as pessoas. Em vez disso, é um reconhecimento de que sistemas vivos resilientes serão – e, de fato, sempre foram – a verdadeira fonte de água limpa para as pessoas. Além disso, quando gerenciamos sistemas resilientes, eles podem fornecer água limpa para as pessoas, mas também podem fornecer uma gama diversificada de outros benefícios e serviços.

Vamos começar pela fonte. A cidade de Nova York é justificadamente celebrada por seu sistema de água. É uma maravilha da engenharia: 19 reservatórios e centenas de quilômetros de túneis levando um pouco da água potável mais limpa do mundo para quase 10 milhões de pessoas.

Mas você precisa olhar além dessa engenharia para ver por que a água da cidade de Nova York está entre as águas potáveis ​​mais limpas do mundo. A base para essa maravilha da engenharia é uma maravilha da natureza: centenas de milhares de hectares de florestas, pântanos, rios, riachos e fazendas cuidadosamente administradas nas montanhas Catskills, ao norte da cidade.

A cidade de Nova York há muito entendia a relação entre terra saudável e água limpa, mas na década de 1990 eles se depararam com uma escolha. Novos padrões de água potável estavam em vigor, exigindo que todos os sistemas municipais de água potável tivessem filtragem física. Até então, Nova York tratava sua água, mas não a filtrava antes do tratamento. Uma usina de filtragem teria custado US$ 10 a 12 bilhões e teria sido um dos maiores projetos de obras públicas já implementados por uma cidade.

Trabalhando com agências estaduais e federais, comunidades locais e proprietários de terras, a cidade conseguiu atender aos novos padrões de água potável sem construir uma estação de filtragem. Em vez disso, eles dobraram seu compromisso de administrar a fonte de água para garantir que ela fosse ainda mais limpa e segura.

Até o momento, a cidade gastou mais de US$ 2 bilhões na aquisição de terras (por exemplo, florestas e pântanos), restauração de margens de córregos, substituição de sistemas sépticos e trabalho com agricultores em planos de manejo agrícola sustentável. No entanto, isso é muito menor do que teriam sido as despesas operacionais da planta de filtração, sem falar nas despesas iniciais de capital.

A cidade de Nova York tem o maior sistema de água não filtrada do país. Ou, mais precisamente, o maior sistema de água sem filtragem projetada, porque as florestas e pântanos de Catskills agem como uma gigantesca usina de filtragem. Eles também atuam como um amado espaço recreativo para os nova-iorquinos e habitat para a vida selvagem.

Hoje chamaríamos esse investimento em florestas e pântanos para fornecer água limpa de “Solução baseada na natureza”. Embora esse termo – solução baseada na natureza ou NbS – pareça bastante jargão, na verdade é bastante sucinto: uma solução para um desafio social, como manter a água limpa, fornecida pela natureza.

O NbS que é Catskills ressalta uma realidade fundamental: a água vem da natureza. E se queremos que a água seja limpa, precisamos manter ecossistemas saudáveis ​​e resilientes que sustentam a fonte de água.

Mas a natureza não é apenas uma fonte a montante, é também um destinatário a jusante. As pessoas — e todas as coisas que construíram: prédios, fábricas, estradas etc. — afetam a água de inúmeras maneiras antes de descartá-la na terra, em córregos e pântanos e nos lençóis freáticos.

Ou seja, a água não vem apenas natureza e fluir para pessoas, a água também vem das pessoas e flui de volta para a natureza.

Assim, a saúde de lagos, rios e águas costeiras – e os benefícios que eles proporcionam às pessoas, incluindo recreação e pesca – exige que também cuidemos da água que enviamos rio abaixo para esses sistemas. As soluções baseadas na natureza também podem ajudar nesse desafio e, novamente, a cidade de Nova York fornece um exemplo ilustrativo.

Cerca de vinte e cinco anos atrás, a cidade de Nova York criou seu programa “Blue Belt” para restaurar zonas úmidas para ajudar a gerenciar as águas pluviais. As cidades estão cheias de superfícies impermeáveis ​​– estradas, prédios, estacionamentos – resultando em grandes volumes de escoamento durante as tempestades. O gerenciamento típico de águas pluviais reúne o escoamento em esgotos que descarregam rapidamente a água – geralmente bastante suja – em córregos e depois, no caso de Nova York, nas águas costeiras das baías e portos circundantes.

As zonas úmidas que foram criadas e restauradas no sistema Blue Belt absorvem o escoamento de águas pluviais, retêm-no temporariamente e permitem que processos físicos e biológicos melhorem a qualidade da água antes de ser liberada, resultando em melhor qualidade da água e menor risco de inundação a jusante. O programa ajudou a reduzir o risco de inundação urbana e contribuiu para a melhoria constante da qualidade da água nas águas costeiras de Nova York.

As soluções baseadas na natureza para o gerenciamento de águas pluviais têm outro benefício: são espaços verdes em um ambiente urbano. Esses projetos de gerenciamento de águas pluviais podem assumir a forma de parques, pântanos, riachos “iluminados” e habitats de vida selvagem, e esses investimentos podem ser priorizados para comunidades e bairros que historicamente carecem de acesso à natureza.

O mundo está se urbanizando rapidamente e as cidades enfrentarão uma série de desafios, incluindo lidar com inundações maiores e fornecer acesso a espaços verdes e à natureza para a saúde mental e física dos moradores da cidade. Soluções baseadas na natureza bem planejadas e gerenciadas podem contribuir para ambos os desafios, proporcionando eficiência de custos para os orçamentos apertados da cidade.

Esses múltiplos benefícios são uma marca registrada das soluções baseadas na natureza: água limpa e menor risco de inundação e espaço para recreação e habitat para a vida selvagem. A razão pela qual NbS para gerenciamento de água pode fornecer diversos benefícios é que eles não são simplesmente uma solução de engenharia voltada para água limpa; ao contrário, são investimentos em sistemas resilientes, e os sistemas são capazes de suportar múltiplos benefícios.

Essa evolução da valorização da água como um recurso para a valorização de sistemas resilientes – sistemas capazes de produzir o recurso de água limpa, mas também muitos outros benefícios – foi uma parte fundamental do diálogo no mês passado na cidade de Nova York na Conferência da Água da ONU. As soluções baseadas na natureza são cada vez mais reconhecidas como essenciais para atender aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – não apenas o ODS 6 para água potável, mas vários outros que se concentram na segurança e na saúde humana e do ecossistema. Apesar deste reconhecimento crescente, o investimento em NbS, tanto do setor público como do privado, ficam muito atrás de seu potencial.

Um outro reconhecimento dos diversos valores que fluem de sistemas resilientes de água doce veio na forma de o desafio da água doce – o maior projeto de restauração de zonas úmidas e rios da história, defendido pelos governos da Colômbia, República Democrática do Congo, Equador, Gabão, México e Zâmbia.

A escala de restauração prevista em todo o mundo – 300.000 km de rios e 350 milhões de hectares de zonas úmidas até 2030 – é um compromisso impressionante de investir em ecossistemas saudáveis ​​e resilientes que podem fornecer diversos valores para as pessoas.

A água sempre será um recurso essencial para as pessoas. Mas os sistemas vivos, os rios e nascentes que sustentam esse recurso, sempre foram mais do que isso. Eles são reconhecidos como uma fonte de alimento, conexão e inspiração entre culturas. A gestão da água que se concentra em valorizar a água apenas como um recurso negligencia uma gama muito mais ampla de oportunidades e benefícios que decorrem da gestão que valoriza os sistemas resilientes que produzem e depois recuperam a água que usamos.

Acesse a notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos cookies para personalizar anúncios e melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade